segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O milagre de Jesus

 
 
Jorge Jesus, diz-se, ganha 4 milhões de euros brutos, por ano, no Benfica.
Nada que me deixe mais satisfeito: foi dos bons investimentos - e não são assim tantos - que a actual direcção do clube fez.
 
Bem sei que o valor em causa se deve ao temor que Jesus rumasse ao Porto, temor esse com o qual o treinador jogou aquando da sua renovação. E daí? Jesus valeu-se, nem mais nem menos, do seu "valor de mercado".
Acresce que continuo a crer que um indivíduo tem direito a fazer-se pagar o melhor que pode pelo seu trabalho.
E, que se saiba, não houve coacção. Apenas o reconhecimento tácito de que este funcionário era uma peça fundamental para remediar uma anemia de mais de 20 anos no que toca à competitividade (não era só a falta de títulos...) da mais importante modalidade do clube.
 
Mas se é para falar de números, acho da mais elementar justiça lembrar (à laia de custo-benefício) os jogadores que Jesus encontrou quando chegou ao SLB e que, fruto do seu trabalho, se transformaram (porque nunca tinham valido tanto) em muitos milhões: Di Maria, David Luiz e Coentrão são os principais exemplos. Javi, Ramires e Witsel já chegaram com Jesus, mas a sua imensa valorização teve, por certo, muito que ver com o seu talento formador (é, aliás, a propósito disto que me questiono, por vezes, acerca do que Jesus teria feito, por exemplo, de um Matías Fernandez ou de um Elias, só para olhar para o outro lado da 2.ª circular).
 
Mas olhemos apenas para esta época.
 
Sou dos que pensou, em Setembro, o seguinte:
1) Era impensável ter a lateral-esquerdo Melgarejo, cujas rotinas defensivas eram nulas.
2) Não fazia qualquer sentido manter Maxi Pereira como única e exclusiva opção para a lateral direita, dadas as características do jogador (ver link).
3) Perder Javi Garcia e Witsel, ainda que em negócios compensadores, já com o mercado fechado quanto a aquisições, era impensável para efeitos de manuenção da competitividade da equipa, já que o meio-campo defensivo (sempre fundamental) ficava praticamente deserto (sobrava, sem adptações ou surpresas, Matic).
4) Ter um amontoado de dispendiosos extremos de qualidade (Sálvio, Ola John, Gaitán, Nolito, Enzo Perez e, como Jesus sempre insistiu, Bruno César) seria garantia do desastre, dado o desequilíbrio evidente do plantel.
5) Comprar Lima, com 29 anos, por 4 milhões era um exagero, e emprestar Nélson Oliveira, uma asneira.
 
Tomei assim como certo, desde logo, que o Benfica penaria até Janeiro, altura em que poderia "remendar" o plantel, dilacerado pelas vendas do início de Setembro, que me pareceram reveladoras, uma vez mais, da absoluta insensibilidade da Direcção para o plano desportivo (tínhamos que vender Javi mesmo tendo em conta os 40 milhões de Witsel, ou vendemos o primeiro sem saber que venderíamos o segundo?).
Era, pois, muito simplesmente, tudo uma questão de saber como nos aguentaríamos até à reabertura do mercado, isto é, a quantos pontos estaríamos do FC Porto neste momento.
 
Puro engano.
E por mérito de Jesus:
 
1) Melgarejo começou titubeante e estava tudo pronto para que ficasse sob pressão constante. Jesus manteve a aposta nele e fabricou mais um lateral (como fizera - aí com especial brilhantismo - com Coentrão). Melgarejo não é brilhante, mas já se viu muito pior. E, como tal, já pouco se ouve falar dele: como num passe de mágica, o problema parece nunca ter existido.
2) Maxi está muito pior do que nos anos anteriores, especialmente a defender: a condição física é paupérrima (ao contrário das equipas de Jesus, costuma arrebitar a partir de Fevereiro), os cartões amarelos são uma constante e a disciplina táctica é um susto. Mas para substituir Maxi (cujo brio e tenacidade se mantêm intocados), Jesus já "inventou", em vários jogos e sem problemas de maior (lembro-me, por exemplo, da exibição no Celtic Park), o prestimoso André Almeida (que também já deambulou pelo meio-campo defensivo, quando foi preciso). Em suma: a alternativa a Maxi parece hoje já existir (e não é Cancelo, como alguns sugeriram).
3 e 4) Sem ninguém para o miolo, à excepção de Matic, Jesus encarregou-se de fazer dele um "6" ou um "8", conforme as necessidades. O sérvio corre, desarma, passa... como nunca fizera. Pode estar num pico de forma, mas as transformações são de tal ordem (sobretudo na velocidade, que era perto de zero), que é impossível não o notar.
Mas era preciso mais alguém: não foi só Javi e Witsel que desertaram. Jesus nunca pôde contar (salvo raríssimas excepções), com Carlos Martins e Aimar.
Por isso, Jesus tirou miraculosamente da manga Enzo Pérez e André Gomes.
Quanto a Pérez tranformou-o, sem danos de maior, num centro-campista minimamente válido, arredando-o das faixas. Quanto a André Gomes (que, entre outros campos, já jogou em Camp Nou e em Alvalade), prestidigitou-o numa alternativa igualmente válida (e com personalidade) para o meio-campo e, mais do que isso, numa opção potencialmente cheia de valor acrescentado para o futuro (vá-se lá saber porquê, a imprensa nunca se lembra que era jogador do FC Porto).
Resumindo: de um meio-campo deserto, Jesus fez um meio-campo interessante. Juntou-lhe Sálvio (sempre preponderante, independentemente das oscilações de forma) e Ola John (cuja entrada na equipa foi sabiamente gerida, até para futuro proveito de Gaitán), formando uma equipa que não defende tão bem quanto seria desejável (mas que já defendeu pior) e que ataca vigorosa e, regra geral, eficazmente.
5) Jesus acreditava que a aposta em Lima teria rendimento desportivo imediato. Lançou-o logo, portanto, e com pleno êxito: golos, técnica q.b., uma disponibilidade física impressionante e uma ligação eficaz entre o meio-campo e o ataque naqueles jogos (como o de Alvalade) em que a equipa se deixa "desligar" entre os médios e as unidades mais ofensivas.
Quanto a Nelson Oliveira, poucos se lembraram dele, entre hesitações e lesões na péssima época do Deportivo. Mas, sobretudo, porque a gestão competente do trio Cardozo-Lima-Rodrigo tem surtido em pleno.
 
Dou ainda de barato o facto de Jesus não ter podido contar com Luisão em cerca de dez (!) jogos da Primeira Liga e ter garantido que Jardel (que começou a época na equipa B) o era capaz de substituir com competência e eficácia, porque isso, atento o descrito acima (e a suprema qualidade de Garay), até pareceu de somenos...
 
Em suma:
Aconteça o que acontecer a este Benfica 2012/2013, já há razões mais do que suficientes para aplaudir Jesus.
Porque é justo.
 
Não me esqueci que Jesus só ganhou uma Liga em 3 anos, quando podia e devia ter ganho duas (não foi o Porto que ganhou a última, foi o Benfica que a perdeu).
Não me esqueci do quarteto defensivo delirante e medroso escalado para Liverpool em 2010 (com Coentrão e Maxi no banco, Sidnei e Luisão a centrais, Amorim a lateral direito e David Luiz a lateral esquerdo...).
Mas não me esqueci também do resssurgimento europeu do SLB de Jesus face ao descalabro total das épocas que o precederam: em 3 anos, quartos-de-final da Liga Europa, meias-finais da Liga Europa e quartos-de-final da Champions.
 
Duvido que o Benfica ganhe este campeonato. Mas tenho a certeza que disputará o título até perto do final.
E isso, certamente, deve-o a Jesus.



PS - E veremos por quanto o Benfica venderá os 85% do passe de Matic que detém, os 50% do passe de Garay e os 25% do passe de Ola John que possui... Felizmente, parece que André Gomes é todo nosso.
 
 
 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Teresa Caeiro, Bernardino e ainda Silva Lopes

 
 
Esta semana, Teresa Caeiro voltou aos frente-a-frente na SIC Notícias. Desta vez, o antagonista foi Bernardino Soares (do PCP).
Sempre bem preparado e (goste-se ou não dele) argumentativamente sólido, Bernardino esmagou (é a palavra certa) a sua antagonista, enquanto se conseguiu ouvir o que dizia (tantas foram as interrupções e o berreiro).
Nada de inesperado, portanto, até porque o tema mais aceso foi a greve dos estivadores.
Confesso, porém, que não cessa de me surpreender o papel paupérrimo que Teresa Caeiro vem desempenhando nestes formatos.
Tornou-se impossível debater com ela o que quer que seja: o ar patético de suposta superioridade petulante que insiste em usar é deprimente, a pobreza da sua argumentação (seja qual for o tema sobre a mesa) é chocante e, pior do que tudo, os gritinhos e as interrupções constantes - repito, constantes - aos seus interlocutores são absolutamente exasperantes.
Dá dó.
Sobretudo para quem, como eu, costumava simpatizar com a personagem.
Vá-se lá saber porquê.
 
Ontem, dia 5, foi o dia da Faculdade de Direito de Coimbra e o auditório encheu-se para ouvir João Ferreira do Amaral, Ulrich, Silva Lopes e Carvalho da Silva sobre a crise económica.
Ferreira do Amaral foi, como sempre, interessante.
Silva Lopes foi torrencial.
Não me canso de o ver como uma das vozes mais esclarecidas do panorama actual (ver link).

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

 
 
"O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Portugal, Abebe Selassie, defendeu, numa entrevista ao "Diário de Notícias" e "Jornal de Notícias", que, no segundo trimestre de 2013, o PIB deverá inverter a sua tendência de queda e regressar a terreno positivo em 2014. O representante da troika disse também que Portugal poderá voltar a ter taxas de desemprego mais baixas no longo prazo. No que diz respeito à necessidade de se refundar o Estado social, no âmbito do pacote de poupanças de pelo menos quatro mil milhões de euros, Abebe Selassie diz que o Governo português deve debater o que "realmente quer fazer" nos sectores da saúde, na educação pública e nos apoios sociais.
Três coisas rápidas:
Primeira: porque raio um funcionário do FMI, que ninguém elegeu, se acha no direito de dar entrevistas em que manda postas de pescada sobre as grandes escolhas políticas de um Estado soberano? O senhor Selassie está em Portugal, diz-se, para acompanhar a aplicação de um memorando assinado pelo Estado português. Que se sente na sua secretária, no seu horário de trabalho, e o faça. A participação, através da comunicação social, no debate nacional sobre as grandes opções política de Portugal, país do qual não é cidadão e onde não vive, não está contemplada nas sua funções de mero burocrata.
Segunda: não sei se o senhor Abebe Selassie leu as conclusões da instituição para a qual trabalha e se sabe que o FMI conclui, recentemente, que em vez de se perder cinquenta cêntimos por cada euro de austeridade (onde se incluem o aumento de impostos e os cortes na despesa do Estado), como previa, se perdiam entre 90 cêntimos 1,70. Ou seja, que a economia perde mais do que ganha com a austeridade. Bem sei que no mastodonte de incompetência que é o Fundo Monetário Internacional - que tem deixado um rasto de destruição em tudo o que toca -, aprende-se lentamente e se trabalha em piloto automático, mas seria bom que as conclusões a que chegam servissem para alguma coisa.
Terceira: as precisões da troika para a evolução do PIB não valem um cêntimo. Recupero aqui um excelente quadro, feito pelo jornal "Público", sobre o que foi sendo previsto nas sucessivas revisões do memorando de entendimento. Na sua primeira versão, dizia-se que o aumento do PIB seria, em 2014, de 2,5%. A previsão manteve-se em Setembro de 2011, na primeira revisão. Na segunda, em dezembro, já era de 2,4%., Na terceira, em abril de 2012, era de 2,1%. Na quarta, em Junho, era ainda de 2,1%, mas na quinta, em outubro, quando finalmente os efeitos das receitas recessivas da troika se começaram a sentir a sério, tinha passado para 1,2%. Um mês depois, em novembro, a sexta revisão já fala de 0,8%. Acho que estamos conversados sobre as capacidades técnicas destes senhores em preverem os efeitos económicos do que defendem. Por isso, se é para destruírem um país, que ao menos o façam calados".


Daniel Oliveira, Expresso online

sábado, 27 de outubro de 2012

As eleições no Benfica

 
 
 
Luis Filipe Vieira (LFV) venceu ontem, sem surpresa, as eleições para a presidência do meu Benfica.
O resultado eleitoral (83%) demonstra, quanto a mim, a ausência de alternativa credível ao status quo: Rui Rangel não foi capaz de se mostrar como uma saída viável para o panorama actual, que é pouco menos do que desolador.
 
Desolador porquê?
Porque não há alma benfiquista neste mundo que se reveja neste presidente.
 
Um presidente que cauciona erros palmares na construção da equipa principal de futebol todos os anos (não me refiro à necessidade de vender, mas à planificação elementar do que se compra e do que se vende);
Um presidente que não sabe proferir um discurso aos sócios, nem nos momentos (escassos) das vitórias;
Um presidente que não cumpre as exigências estatutárias para ser candidato às eleições (porque é óbvio que LFV não é sócio há 25 anos ininterruptos do SLB - ver link);
Um presidente que, em 2009 (nas eleições anteriores), incumpriu flagrantemente os estatutos quando antecipou as eleições, após se demitir, numa manobra ilegal e digna de uma república das bananas;
Um presidente que é sócio do FCP e do SCP;
Um presidente que, é preciso admiti-lo, leva lições sucessivas de Pinto da Costa, porque o tenta imitar no estilo, quando essa seria a última coisa a fazer.
 
Enfim.
 
Claro, porém, que Vieira fez obra.
Fez o estádio. Fez o centro de estágio. Protegeu as modalidades. Fez (mal ou bem) a Benfica TV. Incrementou a marca Benfica.
E, sobretudo, levantou o clube do abismo aterrador do que foram os anos de Damásio e Vale e Azevedo.
Por isso tem o reconhecimento que lhe vale 83% numas eleições em que (de novo) correu sozinho.
 
Reconheço isto.
Como reconheço, serenamente, o que aí vem nos próximos quatro anos do mandato de LFV que agora se inicia: mais do mesmo.
 
Isto é:
 
- O Benfica ganhará, quando muito, um campeonato nos próximos quatro;
- O Benfica continuará a ter 90 jogadores sob contrato (uns 70, se excluirmos os jogadores que transitam das camadas jovens);
- O Benfica continuará a ter uma estratégia errática no que toca ao poder instituído no futebol profissional e na arbitragem (com a FPF à cabeça);
- O Benfica verá o FCP continuar a sua hegemonia dos últimos 25 anos.
 
Estou certo disto.
Oxalá me engane.
 
HDF
(este post está excepcionalmente assinado com o meu acrónimo, uma vez que o 2.º signatário deste blogue integrou a comissão de honra da candidatura de LFV).
 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A ferros

 
 
Chega.
Chega dos dislates de Ferreira Leite. Chega dos seus comentários "económicos". Basta!
 
Tenho o maior dos respeitos por esta estimável senhora, cuja idoneidade e seriedade não me atrevo a questionar: tanto é mais do que o bastante para a respeitar e estimar, sobretudo nos dias que correm.
 
Repito: não duvido da sua honestidade, dos seus princípios e do seu carácter. Genuinamente.
Mas é tudo.
 
Do ponto de vista político, principalmente hoje, reconheço-lhe zero.
 
Desde que abandonou a liderança do PSD, Manuela Ferreira Leite nunca logrou abrir a boca para dizer alguma coisa que aproveitasse ao país.
Pensei, a princípio, que o fenómeno se devesse a uma rezinguice (até certo ponto, compreensível) pelo falhanço rotundo em que redundara a sua tentativa de  glosar uma "dama de ferro" na liderança do PSD. Mas desenganei-me rapidamente: já lá vai tempo demais sem que o disparate tivesse cessado.
 
Ferreira Leite foi provavelmente a mais tacanha ministra da educação de todos os tempos, ainda na época da governação de Cavaco.
A crispação foi tanta (já no estertor do cavaquismo) que a respeitável senhora se constituiu, num passe de mágica em que a política é fértil, numa espécie de reserva moral e "técnica" do PSD.
Até aí, tudo bem. A vida tem destas coisas.
E as catacumbas do Banco de Portugal serviam para a guardar.
 
Manuela voltou a entrar em acção no governo de Durão e Portas.
Nunca ninguém até então, como ela, falara tanto na necessidade de austeridade, contenção do défice, controlo das contas do Estado. Estávamos no pré-socratismo e a maioria dos portugueses nunca tinham ouvido falar com tanto alarme do défice, de programas de estabilidade e crescimento e no pacto com a mesma designação.
Se já ninguém se lembra, eu recordo: foi aí que o número mágico dos 3% do défice efectivo do orçamento saltou para as parangonas dos jornais e para tudo o que era telejornal. A depressão e a "fossa" da austeridade (que, agora, tanto afligem Ferreira Leite) começaram aí. Precisamente aí, quando ela era ministra das finanças.
 
Esclareça-se: os mais brutais disparates feitos nas finanças portuguesas já vinham do passado, mas foi no ministério de Ferreira Leite que começou o assanhamento da retórica depressiva - ninguém se lembra de que foi então que nos disseram, pela primeira vez em muito tempo, que estávamos "de tanga"?
Eu lembro.
Lembro-me bem que Ferreira Leite cavalgou nesta retórica até ao governo de Durão se despenhar em chamas. Isto, claro, depois de um desempenho de Manuela nas Finanças que toda a gente faz por esquecer e que teve como pontos altos a "luz verde" do seu ministério para a aquisição dos famigerados submarinos e, sobretudo, a venda de créditos fiscais ao Citigroup. Isto, claro, para não falarmos no uso e abuso de receitas extraordinárias (a meter traficâncias com arrendamentos de imóveis do Estado) para mascarar os buracos orçamentais.
 
Como vivemos num país sem memória, tudo isto ficou obnubilado pela espuma dos dias. Também, evidentemente, porque a seguir tivemos o inolvidável Governo de Santana, cujas erupções diárias como que faziam a História do país voltar a zeros todos os dias. E porque Manuela, reconheça-se (muito embora, não desinteressadamente), se perfilou, dentro do PSD, como uma das mais ferozes adversárias desta insanidade.
 
Depois, veio Sócrates. E, claro, vieram os respectivos desmandos.
E Manuela, quase sem saber porquê, já líder do PSD (após purgas inesquecíveis), no fim dos primeiros quatro anos da governação socrática, viu-se diante da oportunidade de chegar ao poder.
Uma oportunidade real, que teria poupado ao país os dois anos seguintes do segundo Governo de Sócrates, cuja sorte estava à partida traçada pela sua incapacidade de governar sem maioria absoluta (e de se entender com quem quer que fosse para formar esta maioria).
E foi aqui que todas as dúvidas - se é que existiam - se dissiparam.
Relembro que Sócrates estava em dificuldades (a crise financeira internacional já rebentara há bastante tempo) e que havia sondagens que colocavam o PSD de Manuela em São Bento.
O que se seguiu foi o maior maior espectáculo de incompetência e falta de habilidadepolítica de que há memória (e que, repito, custou dois anos - dois dolorosos anos - de inacção ao país).
 
PS e PSD estavam lado a lado.
Manuela chegou aos debates decisivos depois de se ter recusado a ter uma equipa a prepará-la para os confrontos decisivos. Na sua cabeça, não precisava de ninguém. Mesmo no século XXI.
 
O primeiro debate foi com Portas (para fixar o eleitorado mais à direita). O resultado foi desastroso. Portas esmagou de tal forma, que me é difícil recordar um debate em que um dos contendores tenha saído tão vergado.
O último dos debates foi com Sócrates. Outro massacre brutal, frente a um preparadíssimo adversário.
 
Num destes debates, Manuela trocou três vezes - repito, 3 vezes - o IRS com o IRC. E não se enganou nas siglas: o erro era real, e tinha a ver com a taxa de imposto. Não era um lapso. Foram 3 vezes a falar de uma taxa de tributação sobre as empresas que é impossível numa economia de mercado. Três vezes, num desnorte total.
 
Sócrates, mesmo em grandes apuros, venceu as eleições.
Não foi, na verdade, Sócrates (de quem o país já estava exausto) que as ganhou. Foi Manuela Ferreira Leite quem as perdeu. E com toda a justiça.
Porque o eleitorado se apercebeu que a suposta superioridade "técnica" de Leite era uma fantasia. Porque ficou patente a falta de preparação da candidata e a sua teimosia obstinada em rodear-se de gente pensante que a pudesse "preparar".
Porque se tornou evidente - não tenho receio das palavras - que tudo se tratava de uma enorme imposturice.
 
O povo percebeu tudo isto e, entalado (mas sábio), preferiu ver Sócrates acabar consigo próprio, sob pena de o seu fantasma (caso fosse desinstalado precocemente) ficar perenemente a pairar sobre os destinos do país.
E assim foi, com Manuela rapidamente desalojada (dada a sua manifesta incapacidade para receber o poder de bandeja) e com Passos Coelho pronto para receber no colo aquilo que dois dedos de testa teriam antecipado dois anos.
 
Aí está, pois, o Governo que temos.
Mas com a incansável Manuela sempre nos seus calcanhares. Rosnando. Em repetidos e sucessivos apartes, sempre a coberto da sua "competência técnica" em matéria financeira e orçamental.
 
Hoje, Manuela, numa conferência, decidiu dizer, para os media ouvirem, que "interessa pouco não entrar em falência se está tudo morto" (ver link).
É uma espécie de glosa a Keynes, que dizia, esse sim sabiamente, que a "longo prazo, estaremos todos mortos".
E Manuela concretiza: “se conseguirmos fazer a consolidação orçamental até 2014 interessa-me pouco não entrar em falência se simultaneamente está tudo morto.”
 
Digo eu: Basta! É demais.
Depois de ter aplicado umas finanças de pacotilha quando esteve no Ministério e ter inaugurado o furacão da austeridade (que nunca mais cessou, com maiores ou menores intermitências), depois de ter inaugurado a retórica da "tanga" e ter trazido, pela sua mão, o país para a recessão e o estado depressivo de que nunca mais se viu livre (no ciclo vicioso que conhecemos bem), como é que Ferreira Leite tem cara para vestir agora a pele do cordeiro preocupado com as repercussões sociais da austeridade?
 
Como é que Ferreira Leite se dá ao luxo de condenar a austeridade deste orçamento? Ela, a "dama de ferro" da austeridade.
 
Não consigo perceber.
E duvido que alguém consiga.
Chega!
 
 

 
 
 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Silva Lopes: com a força lúcida da razão

Tenho escrito pouco aqui. E não fora hoje, 17 de Outubro, ter ouvido, no jornal das 22h da SicN, Silva Lopes, provavelmente suceder-se-iam mais uns dias até que voltasse a estas paragens.
 
 
 
Nos dias que correm, é extraordinariamente difícil manter a lucidez no comentário e na análise. E a televisão tornou-se um desfile insuportável de opiniões medíocres e interessadas. Normalmente, um cortejo de banalidades.
 
Silva Lopes, com a competência habitual, luziu, hoje à noite, neste decrépito cenário.
Lúcido, reflexivo mas assertivo, politicamente desinteressado, tecnicamente coerente e sem catastrofismos ou demagogias baratas. Uma raridade, portanto.
 
Mas o que disse, então, Silva Lopes?
Coisas concretas e acertadas, sem falsas simplificações - outra extraordinária raridade, nos dias de hoje. E sem empolgamentos à moda de Medina Carreira.
 
Comecemos pelo Orçamento (OE).
Estribado em contas simples, mas sem serem de faz-de-conta, Silva Lopes explicou, serenamente, que o cenário macro-económico em que o Governo alicerçou o OE dificilmente se verificará, o que inevitavelmente redundará na necessidade de novas medidas de austeridade, a fim de que os compromissos com a troika em matéria de défice não sejam quebrados.
Até aqui, não há novidade: nenhum mortal crê no contrário. Não há memória de um OE em Portugal (a cargo deste ou de outro Governo) que assente em previsões económicas com aderência à realidade.
 
Ainda a propósito do OE, debruçando-se concretamente sobre o IRS, Silva Lopes disse também o que se mete pelos olhos dentro: a diminuição dos escalões do IRS dá cabo da progressividade do nosso imposto sobre o rendimento das pessoas físicas, a despeito de o Governo usar precisamente a bandeira da progressividade para justificar as recentes opções fiscais.
Aqui, Silva Lopes foi até mais longe: explicou que, ao invés, caminhamos para a regressividade e demonstrou-o com mais alguns cálculos que, todavia, não puderam ficar inteiramente claros porque a inefável Ana Lourenço, sempre de bujarda em bujarda, o interrompeu até ao limte do suportável.
Foi pena. No entanto, penso que tudo teria ficado mais nítido (e mais tempo teria sobrado) se Silva Lopes se tivesse limitado a vincar uma ideia simples (mas que toda a gente que sabe o que significa o conceito de imposto progressivo entende): quanto menos escalões diferenciadores dos rendimentos existirem, menor é a capacidade do imposto para fazer o tratamento diferenciado dos diferentes rendimentos, pelo que, obviamente, a taxa média do imposto se torna menos sensível às variações na capacidade contributiva (e, logo, menos progressiva).
 
Mas adiante, até porque o melhor estava para vir.
 
Silva Lopes já desancara o brutal aumento de impostos trazido pelo OE e as mexidas no IRS. A seguir, explicou, sem sobressaltos (pese embora os apartes abelhudos com que Ana Lourenço o ia distraindo), o que toda a gente também já percebeu: esta receita de que o Governo agora lançou mão não resolverá o que quer que seja, porque apenas acentuará o ciclo vicioso em que estamos enredados.
De facto, maior carga fiscal (a curva de Laffer que o diga...) e mais austeridade apenas trarão maior contraimento à economia, a qual, por sua vez, por estar cada vez mais anémica, gerará nas contas do Estado (até pelo minguar das receitas fiscais) novos buracos que, por sua vez, reclamarão mais austeridade. E assim por diante...
Isto é óbvio, e é o que a esquerda esclarecida tem dito, cheia de razão.
Faltava dizer o resto, que a esquerda irresponsável não diz, e que Silva Lopes deixou muito claro: rasgar o acordo com a troika e dizer "não pagamos" (mostrando, ou não, o rabo em manifestções de rua) não resolverá qualquer problema. Pelo contrário, agravará tudo. Como é evidente. Porque aí, sim, posta a troika em debandada, ficaremos com os rabos a descoberto, quer queiramos, quer não. Sem conseguir financiar a economia com um tusto, sem o Estado ser capaz de assegurar o mais elementar dos pagamentos.
 
E, então, "em que é que ficamos"?
 
Ficamos com a extraordinária honestidade de Silva Lopes, capaz de evidenciar as más escolhas que o Governo, desde Setembro, tem feito (não resisto a apontar que o ministro Gaspar foi para férias cheio de prestígio...), mas também de admitir que o problema não pode ser resolvido com um patético "que se lixe a troika".
Mais: como muito boa gente tem dito (Krugman, por exemplo - ver link), Silva Lopes também pensa - e bem - que o problema é apenas em parte nosso (e do nosso suposto vício de "vivermos acima das nossas possibilidades"). Indo à raiz dos problemas, tudo tem sobretudo que ver com os dogmas monetaristas e de estabilização dos preços a todo o custo, em que a UE sempre assentou. E numa terrível incompetência da União para lidar com a crise, na medida em que os empréstimos aos países em apuros são sempre curtos e fora de tempo, o que lhes impõe sempre mais austeridade e, por conseguinte, mais recessão (a qual, por sua vez, mais austeridade reclama).
 
Resumindo: o medo crónico que a Alemanha sempre teve dos surtos inflacionistas (dado o trauma da década de 30) tem tolhido a Europa de soluções que uma crise da gravidade desta exigia.
A incompetência das lideranças puramente tecnocratas e a fraqueza política da União faz o resto.
 
Já achava tudo isto.
Depois de Silva Lopes ter dito, fiquei com a certeza.
 
 
 
PS - Ana Lourenço, por favor, cala-te.
 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

TSUnami

Quem luta com monstros deve velar por que, ao fazê-lo, se não transforme também em monstro”.

Para Além do Bem e do Mal - Friederich Nietzsche

 

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Competências

Percebe-se agora, na plenitude, o significado deste cartaz.
Duarte Marques, líder da JSD, disse ao PÚBLICO (ver aqui) - e estou a citar - que "ele é muito bom, mas se o António Borges tivesse passado uns anos na "Jota" há muito erro que não cometeria ...".
Fiquei esclarecido.
Para Duarte Marques, o "futuro" é isto.
No exemplo dado, Borges simboliza as oportunidades perdidas. Pressuponho que a antítese seja, por exemplo, Relvas (com vasto currículo - talvez por inteiro - nas Jotas).
Para Duarte Marques, Borges deveria ter trocado a construção de uma carreira internacional prestigiada e cheia de sucessos na Goldman Sachs pela emoção única de colar uns cartazes ou pelo frenesim de brincar aos caciques em eleições de bairro.
Tivesse Borges feito isto e teria aprendido que não faz qualquer sentido lançar para a discussão pública (depois de devidamente autorizado pelas chefias do governo e do partido) uma hipótese de solução para o imbróglio da inefável RTP.
Borges teria sabido que não vale a pena. E teria sido muito mais "competente", cuidando do seu "futuro" político. Isto, claro, segundo a cartilha do "jovem" Duarte Marques. Porque, para ele, a competência é tudo.
 

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Benfica: que laterais?

Há coisas que, por mais que se queira, não se conseguem compreender.
No Benfica, elas abundam.

Num meio-campo com Javi Garcia, Witsel, Matic, Carlos Martins e Aimar (para o miolo) e com Gaitan, Nolito, Enzo Perez, Bruno César (porque Jesus o usa aqui) e Djalo(l) nas faixas, decidiram reforçar.... o meio-campo, com as aquisições (para as tais faixas) de Ola John e Salvio.

Quanto a Ola John, veremos o que dá.
Quanto a Salvio, que por cá já se deu bem, não restam dúvidas de que a sua aquisição (ainda mais cara que a de Ola John) foi dispendiosa (no mínimo - e fazendo contas benevolentes: 11 milhões).

Não me esqueço que Salvio, se isso for necessário (recordo que, numa altura nevrálgica da época passada, tivemos 4 centrais lesionados...), pode actuar no centro do terreno (onde as soluções efectivas são Javi, Matic e Carlos Martins, já que não se pode pedir demais a Aimar).

Logo, tudo somado, preparamo-nos para iniciar a época (pressupondo que todos os acima citados se mantêm) com Maxi para lateral-direito (Maxi e só Maxi, porque o resto é conversa) e Melgarejo (ou Luisinho) para lateral-esquerdo.

Trata-se de um portento de planificação. E a demonstração cabal de que são retiradas lições valiosas das épocas anteriores.

Eu explico.

Não precisamos de ter no plantel uma alternativa minimamente decente para Maxi (uma daquelas que custaria sensivelmente 1/10 do que Ola John e Salvio custaram, se fizermos a soma: 18 milhões...). Maxi corre pouco e é muitíssimo jovem. Como não costuma jogar pela sua selecção, a sobrecarga de jogos não o costuma afectar. Acresce - e aqui está o toque de génio - que costuma ver poucos cartões amarelos, pelo que o risco de exclusão em várias partidas do campeonato e da Champions é meramente residual.
Portanto, assunto arrumado. Trata-se de um risco muito bem calculado.
Até porque o problema do ano passado não era sofrermos muitos golos.

E também não necessitamos de ter um único lateral-esquerdo de raíz no plantel.
A prova está também no que sucedeu o ano passado: lutámos pelo campeonato até ao fim (com fiscais do Proença à mistura...) e chegámos aos quartos-de-final da Champions (nos quais fomos eliminados pelo campeão da prova e com um árbitro chamado Skomina)... jogando, na maioria dos jogos, com um fulano chamado Emerson a lateral-esquerdo, que, entretanto, descobrimos (justamente ao defrontarmos o Chelsea) que era, afinal, central (e, por isso, dispensámo-lo, sem mais, esta época).
Ora, se o tal fulano era medíocre (pelos vistos, nem era lateral...), para quê gastar inutilmente dinheiro a preencher uma posição onde, pura e simplesmente, se provou que não precisamos de jogador nenhum?

Claro que para calar os que não percebem nada de bola (e não aprendem com o que já se passou), continua a ser aconselhável comprar, desde que muito baratinho, um jovem quase desconhecido para, só supostamente (e apenas em teoria), ocupar a lateral esquerda.
Se a "gestão Vieira" continuar com os laivos de genialidade que a têm caracterizado, estou certo que teremos, até ao fim do mês, um craque deste estilo a chegar à Luz.


Sorte a nossa.





quinta-feira, 2 de agosto de 2012

He's the man

Pais do Amaral é administrador de 73 empresas.
Confesso que me sinto confuso.

terça-feira, 31 de julho de 2012

É natural



"Há Muita gente incomodada com a hipótese de me candidatar a Presidente da República." - Marinho Pinto (i, 31/07).

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Uma questão de timing

Encontrei hoje este anúncio, para o qual deixo aqui o link.
Sem que o anúncio (ou o seu conteúdo) tenha qualquer problema, é o exemplo clássico do mau sentido de oportunidade.

(e dei comigo também a pensar: a licenciatura do dr. Relvas será pré-bolonha? Caso seja, então temos mestrado a caminho!)

Cheers!



quarta-feira, 25 de julho de 2012

Just for the record




À parte de teorias da conspiração, já por diversas vezes fiz notar a estranheza do timing escolhido pelas agências de notação financeira norte-americanas.
Agora (ver neste link), a vice-presidente da comissão europeia realçou isto mesmo.
Just for the record.

 



segunda-feira, 23 de julho de 2012

O homem lapso

"Toda a gente devia ter o seu Miguel Relvas. Dá jeito em qualquer ocasião. Um estudante não sabe a resposta a uma pergunta e, para distrair o júri da oral, exibe um Miguel Relvas. Um gatuno entra numa casa e, para entreter os cães, atira-lhes um Miguel Relvas. Uma mulher é apanhada com o amante e, para desviar a atenção do marido, apresenta-lhe um Miguel Relvas.
Infelizmente, só o Governo tem o privilégio de ter um Miguel Relvas. E o Miguel Relvas do Governo é o melhor de todos os Miguéis Relvas. Trata-se de um Miguel Relvas que, além de conseguir desviar a atenção do que é mais importante no Governo, desvia a atenção do que é mais importante em Miguel Relvas. Miguel Relvas consegue ser Miguel Relvas de si mesmo. Por causa do que Miguel Relvas fez na Lusófona, já ninguém fala do que Miguel Relvas fez ao Público. E, no entanto, os casos relacionam-se em toda a sua esplendorosa relvice. Na altura em que foi confrontado com o facto de, em duas legislaturas seguidas, ter alegado frequentar o segundo ano do curso de Direito, quando na verdade tinha feito apenas uma cadeira do primeiro ano, Miguel Relvas disse que se tratava de um lapso. Quando constatou que a deliberação da ERC não referia a «pressão inaceitável» do ministro, o presidente do organismo disse que se tratava de um lapso. Um lapso a propósito de um homem que tinha incorrido em dois lapsos, com uma cifra final de lapsos que acaba por ascender a três. Esta salsada de lapsos passou sem reparo. É uma orgia de enganos. Um bacanal de equívocos. Uma ménage-a-trois de quiproquós. Merecia mais e melhor atenção.
No momento em que escrevo, Miguel Relvas ainda não se demitiu. Talvez no lapso de tempo que decorre entre a escrita deste texto e a sua publicação, ocorram outros lapsos que o obriguem a demitir-se. Mas não parece provável. Nem, devo dizer, necessário. Um número relativamente alargado de pessoas exige uma demissão, ignorando que já houve várias. Ricardo Alexandre deixou de ser director-adjunto da RDP, Maria José Oliveira deixou de ser jornalista do Público e Fernando Santos Neves deixou de ser reitor da Lusófona do Porto. Quase todos os envolvidos nestes casos abandonaram as suas funções, menos Relvas. A troika bem avisou que um dos problemas mais graves do País era a dificuldade de despedir gente na função pública. Agora é possível apostar, na internet, no momento que Relvas escolherá para se demitir. É dinheiro deitado à rua. O mais provável é que todo o povo português se demita antes de Miguel Relvas." - Ricardo Araújo Pereira, VISÃO.



Grécia

Como dei nota aqui, a 14 de Maio, a debandada de Atenas está próxima.
Agora, os alemães falam abertamente nela e dizem que "não assusta".
Carpe diem.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Akerlof



George Akerlof publicou, em 1970, um magnífico paper sobre o mercado dos lemons (carros usados nos EUA), que acabou por lhe render o Nobel da economia.
Trata-se de um trabalho de uma simplicidade aparente que, porém, não ofusca a sua genialidade.
Entre os vários conceitos trazidos a lume está o da assimetria da informação (e as suas consequências para os mercados), mas também o dos custos da desonestidade para estes mesmos mercados (que o autor centra nos  exemplos das chamadas economias subdesenvolvidas, identificando o custo da desonestidade com a destruição, no limite, do próprio mercado).

Dei comigo a pensar que muito do que Akerlof diz pode ser aplicado (não directamente, claro) aos actuais mercados de dívida pública e às suas dessintonias, aparentemente irracionais, pelo menos em alguns casos.

A este propósito, deixo aqui o link para a versão integral do paper de Akerlof.
By the way, espero não estar louco.

domingo, 8 de julho de 2012

AMELIA


Amelia Earhart (1897-1937)
Amelia Earhart was an American aviator, one of the world's most celebrated, who was the first woman to fly alone over the Atlantic Ocean.
Earhart moved often with her family and completed high school in Chicago in 1916. She worked as a military nurse in Canada during World War I and as a social worker in Denison House, Boston, after the war. She learned to fly (against her family's wishes) in 1920-21 and in 1922 bought her first plane, a Kinner Canary. On June 17-18, 1928, she became the first woman to fly across the Atlantic, although she was only a passenger. The same year, her reflections on that flight were published as 20 Hrs., 40 Min. She married the publisher George Palmer Putnam in 1931 but continued her career under her maiden name.
Determined to justify the renown that her 1928 crossing had brought her, Earhart crossed the Atlantic alone on May 20-21, 1932. Her flight in her Lockheed Vega from Newfoundland to Ireland was completed in the record time of 14 hours 56 minutes. After that flight, she wrote The Fun of It (1932). This soon led to a series of flights across the United States and drew her into the movement that encouraged the development of commercial aviation. She also took an active part in efforts to open aviation to women and end male domination in the new field.
In January 1935 she made a solo flight from Hawaii to California, a longer distance than that from the United States to Europe. Earhart was the first person to fly that hazardous route successfully; all previous attempts had ended in disaster. She set out in 1937 to fly around the world, with Fred Noonan as her navigator, in a twin-engine Lockheed Electra. After completing more than two-thirds of the distance, her plane vanished in the central Pacific near the International Date Line. Although her mysterious disappearance has since raised many questions and much speculation about the events surrounding it, the facts remain largely unknown.

Em honra a Amelia, Jony Mitchell compôs este tesouro:



O poema é este:

I was driving across the burning desert
When I spotted six jet planes
Leaving six white vapor trails across the bleak terrain
It was the hexagram of the heavens
it was the strings of my guitar
Amelia * it was just a false alarm

The drone of flying engines
Is a song so wild and blue
It scrambles time and seasons if it gets thru to you
Then your life becomes a travelogue
Of picture post card charms
Amelia it was just a false alarm

People will tell you where they've gone
They'll tell you where to go
But till you get there yourself you never really know
Where some have found their paradise
Other's just come to harm
Oh, Amelia it was just a false alarm

I wish that he was here tonight
It's so hard to obey
His sad request of me to kindly stay away
So this is how I hide the hurt
As the road leads cursed and charmed
I tell Amelia it was just a false alarm

A ghost of aviation
She was swallowed by the sky
Or by the sea like me she had a dream to fly
Like Icarus ascending
On beautiful foolish arms
Amelia it was just a false alarm

Maybe I've never really loved
I guess that is the truth
I've spent my whole life in clouds at icy altitude
And looking down on everything
I crashed into his arms
Amelia it was just a false alarm

I pulled into the Cactus Tree Motel
To shower off the dust
And I slept on the strange pillows of my wanderlust
I dreamed of 747s
Over geometric farms
Dreams Amelia - dreams and false alarms...


Muito simplesmente: obrigado!

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Stevie Wonder no RockinRio Lisboa




Foram mais de 20 temas, sempre fenomenal (com picos no "signed, sealed, delivered", "overjoyed" e"isn´t she lovely").
Faltou o "I wish" (que aqui vos deixo) e o "Lately", mas o mundo, já se sabe, não é perfeito.
Até à próxima.




quinta-feira, 31 de maio de 2012

Ola John



Ola John, acabado de chegar ao Benfica, declarou logo numa entrevista que está satisfeitíssimo porque o novo passo na carreira lhe permitirá mostrar-se na Champions e chegar a um grande clube inglês.

Houve quem se surpreendesse e indignasse. Para estes, o dicurso de Ola John devia ter sido alguma coisa parecida com isto:

"Sou do Benfica desde que nasci (...). Nasci na Libéria, mas já nessa altura seguia o Benfica. Jogar no Manchester United? Barcelona? Real Madrid? Para quê? Tenho 20 anos e espero nos próximos 12, no mínimo, estar ao serviço do Benfica. É o meu sonho. Este é o maior clube do Mundo e os adeptos são fantásticos. Pena ser raro sermos campeões, mas para o ano é que é...!!".

Haja pachorra. E para Vieira também.


"HITLER", de Ian Kershaw



A obra, entre nós publicada pela D. Quixote, é monumental.
Retenho, com especial prazer, a observação acutilante de Kershaw, a propósito do período em que, ainda em Munique, Hitler iniciou a sua imparável ascensão ao poder:

"Era menos o que ele dizia e mais como o dizia que contava" (p.68).

Acrescento eu: Foi sempre assim e, hoje, ainda é.
Portas e Louçã - aceitando a comparação com um universo de minúsculos anões - que o digam.



quarta-feira, 30 de maio de 2012

Verbo ir

Já me falaram no prazer de ficar.
Mas como fico tanto, adoro a vertigem de ir - e só, para anular o tempo.
E para então, sim, poder voltar. Sempre.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Adeus, Grécia (parte II)


Ao abandono da Grécia da zona euro, seguir-se-á, naturalmente, o posicionamento de Portugal na primeiríssima linha da frente. Mais precisamente, na linha de fogo.
Espanha será também ainda mais pressionada. Porventura, irremediavelmente.

Perdida a primeira grande batalha (a da Grécia), seguir-se-á o colapso.
Não tinha que ser assim, mas não vejo como não venha a ser.
Este baralho não tem jokers.

 


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Adeus, Grécia



Krugman, que poucas vezes tem falhado, vaticina a saída da Grécia do Euro já no próximo mês.
Como na Segunda Guerra, a Alemanha falhou, outra vez, na Grécia.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

O sonho na bagagem

Costumo dizer que a geração daqueles que tinham 20 e poucos anos em 74/75 trazia o sonho na bagagem.
E isso ainda se nota, de algum modo, hoje, quando estão à beira dos 60.
Têm uma maneira de dizer e de sentir que os torna peculiares. Cultivam, ainda, uma "atitude", embora a maior parte se tenha perdido, já cansada, nas sempre sinuosas escolhas entre a liberdade e a igualdade.
Mesmo assim, distinguem-se.
Deve ser por terem tido o privilégio de "acreditar".
Que inveja.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Sinto muito


Juan Carlos sente muito.
Eu também.
A não ser pela confirmação de que a monarquia é, hoje, uma anedota.

Hasta Siempe (Jan Garbarek)


SARKOZY

Aproxima-se velozmente o ocaso de mais um medíocre líder do vácuo político europeu.
O problema não é ser de esquerda ou de direita. É ser rigorosamente nada.
Até sempre!



quinta-feira, 12 de abril de 2012

sexta-feira, 6 de abril de 2012

RTP INFORMAÇÃO ("Zona Mista"): Gobern


Estava a decorrer o final do Benfica-Braga e o "zona mista" da RTP estava a emitir em directo.
João Gobern foi fintado pelo plano das câmaras e, perante o emocionante final do jogo, não resistiu a erguer um punho quando o Benfica, inesperadamente, decidiu o jogo a seu favor, com um golo já nos descontos.
Foi um movimento fugaz e genuíno. Até furtivo. Mas as câmaras, por um azar dos Távoras, não apontavam, em grande plano, e como é costume, para o debitar de banalidades politicamente correctas com que Bruno Prata brindava, naquele momento, os telespectadores.
Resultado: João Gobern foi dispensado do programa. Despedido.

Que a RTP é um ninho de trogloditas já se sabia. Que já devia ter sido desmantelada (ninguém quer comprar tamanha sucata...) também.
Ficámos agora a saber que a RTP é, igualmente, cretina. Tout court.
Gobern era dos poucos jornalistas que, nestes formatos televisivos de futebolês, se exprimia com correcção. Sabe conjugar um verbo, o que é raro nestes areópagos do comentário desportivo, nos quais cada comentador veste sempre uma camisola (mais ou menos disfarçadamente, tal como Gobern fazia).
Gobern sabe de bola, sabe falar (coisa rara e, certamente, pouco apreciada) e andava longe do politicamente correcto (mesmo quando criticava o Benfica, Pinto da Costa e quem mais lhe apetecia). Era, por isso, estritamente necessário saneá-lo assim que possível, ao mínimo pretexto.
A ocasião surgiu com o gesto genuíno e impulsivo.

Claro que é de Brunos Pratas que a RTP precisa. A trocar os "b"´s pelos "v"´s e sempre muito politicamente correctos. Bem arranjadinhos e a usar palavras caras de que não conhecem o significado.
Façam bom (ou vom?) proveito.
Um nojo.


 

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O charme da derrota


O Benfica perdeu hoje com o Chelsea.
Já tinha perdido em Lisboa a jogar bem.
Hoje, jogou 60 minutos com dez, sem centrais (e depois sem lateral), contra doze e marcou a cinco minutos do fim.
Com 3 mil adeptos a berrar, no estádio, do princípio ao fim, mesmo a perder.
Too sexy.

terça-feira, 3 de abril de 2012

A desgraça da golpaça

Ficamos agora a saber que o que faz disparar a fúria impante de José Seguro não é o desemprego, a crise financeira, ou os desmandos do Governo no que toca à gestão de algumas pastas.
Não.
O que desnorteia Seguro - e o põe a bramar na arena mediática - é que um comentador político etiquete de "golpaça" as suas manobras de revisão estatutária no PS.
É verdadeiramente extraordinário.
Será que Seguro tem noção de que, doravante, fica permanentemente obrigado a responder aos dislates dominicais de Marcelo, com fúria proporcional à que desta vez usou?
É provável que não.


sexta-feira, 9 de março de 2012

Ninguém quer comprar?

Os lucros da RTP aumentaram para 18,9 milhões de euros em 2011.
"The pain in Spain will test the euro

By Martin Wolf
One definition of insanity is to do the same thing over and over again and expect different results. Germany’s determination to impose a fiscal hair shirt on its eurozone partners did not work in the “stability and growth pact”. Is it going to work in the “treaty on stability, co-ordination and governance” agreed last week? I doubt it. The treaty reflects the view that the crisis was due to fiscal indiscipline and that the solution is more discipline. This is far from the whole truth. Rigorous application of such a misleading idea is dangerous.
Such concerns may now seem remote. The longer-term refinancing operations of the European Central Bank have relieved pressure both on banks and financial markets, including the markets for sovereign debt. In the two tranches of this completed operation, banks have borrowed more than €1tn for three years at just 1 per cent. Italian and Spanish 10-year government bond yields have fallen below 5 per cent, from peaks of 7.3 per cent for Italy and 6.7 per cent for Spain late last year. As important have been declines in credit default swaps on banks: the spread on Italy’s Intesa Sanpaolo has fallen from 623 basis points in November 2011 to 321 points this Monday.
Yet the crisis has not passed. To varying degrees, the vulnerable countries are in lasting difficulties. Would these fiscal disciplines have saved the eurozone from its wave of crises? Will they pull afflicted countries out of these crises now? The answer to both questions is: no.
The fundamental new rule is that a member’s structural fiscal deficit should not exceed 0.5 per cent of gross domestic product. In effect, this would require countries to run structural surpluses. Moreover, if a country has debt over 60 per cent of GDP, the excess shall be eliminated at an average rate of a 20th of the excess each year. A country such as Italy, with debt at about 120 per cent of GDP, would lower the ratio at a rate of 3 per cent of GDP each year. This framework is the one to which all eurozone members must accede. These rules are to be embedded in law, preferably constitutional law.
This treaty raises deep legal, political and economic questions.
It does make economic sense to target cyclically adjusted rather than actual deficits. But the improvement in economics is at the cost of a reduction in precision. Nobody knows what a structural deficit is.
This is no quibble. Consider the structural fiscal positions for 2007, the last largely pre-crisis year, estimated by the International Monetary Fund in October 2007 – in “real time”, as it were. This was a year when the indicator needed to scream “crisis”. Yet it showed Spain with a large structural surplus and Ireland in structural balance (see chart). Both were even in better shape than Germany. Greece did have a sizeable structural deficit. But the French deficit was worse than that of Portugal. The rule would not have discriminated between vulnerable countries and immune ones because it ignores asset bubbles and financial manias.
The IMF then had second thoughts. By October 2011, it had concluded that Greece’s structural fiscal deficit in 2007 had been 10.4 per cent of GDP, not 4 per cent, and Ireland’s 8.4 per cent, not 0.1 per cent. This is not a criticism of the IMF. It merely shows that the concept the eurozone wishes to embed in a new treaty will fail when accuracy is most needed. The true structural deficit is unknowable.
Consider the political and legal implications. Would elected governments accept the guesstimates of unaccountable technocrats? How, moreover, are judges to reach a decision? Are they to evaluate the merits of alternative econometric models? Since huge changes in estimates of structural deficits are likely, how is a government to adapt? Putting an unmeasurable concept into the law seems mad.
Right now, a row is brewing between the European institutions and the newly elected Spanish government of Mariano Rajoy. The latter has stated that his government is going to target a fiscal deficit of 5.8 per cent of GDP, down from the 8.5 per cent achieved in 2011, but well above the 4.4 per cent it agreed with the Commission. The latter will huff. But it cannot compel a sovereign government to do what it wants. Spain’s partners can refuse help. But that might redound on themselves.
Spain’s fiscal difficulties are a consequence of the crisis, not a cause. The country experienced huge rises in private debt after 1990, particularly among non-financial corporations (see chart). The overhang of residential construction also rules out substantial household borrowing. Given this, a sharp reduction in government borrowing is most unlikely to be offset by more private borrowing and spending. The result is more likely to be a far deeper recession, along with little progress in reducing actual fiscal deficits. At worst, a vicious downward spiral may occur. Instead of forcing Spain into rapid fiscal retrenchment, it would be far more sensible to give the country the time it needs to let the bold reform of its labour markets work through. This is going to take a number of years.
Yet if the eurozone is to be willing to provide the time needed for such adjustments to occur, the surplus countries need to be aware of their own role. Without doubt, the parallel emergence of current-account surpluses and deficits, the flow of cross-border finance and the folly of cross-border lenders played huge roles in causing today’s crisis.
In a paper published last month, the Commission indicated its intention to examine a number of countries running external deficits. These sinners are even named. Parallel analysis is needed of the surplus countries. The paper even raises the issue. But it does not dare to pick out specific surplus countries for close analysis. The eurozone is at war with double-entry bookkeeping.
So, yes, the ECB has bought the eurozone some time. But little yet suggests that a way has been found towards the necessary rebalancing of the eurozone economy and, above all, towards achieving the desired mix of reform, adjustment and a swift return to growth. The chosen way looks instead to go via years of one-sided adjustment and painful austerity. Will that work? I very much doubt it. At best, we can expect many bumps along that road".
AM